Arquivo da categoria: Viva mais leve

Aulas de bambolê em Niterói e no Rio

Pronto. 🙂 Fiz uma página nova anunciando sobre as aulas particulares, em grupo ou em empresas. A princípio, atuo em Niterói e no Rio de Janeiro, mas nada impede que você me leve para outras cidades.

Sou instrutora certificada da Hoopnotica, uma das metodologias de ensino de dança e fitness com bambolês mais conhecidas do mundo. E quero ajudar você a desenvolver jogo de cintura pra VIDA. 🙂

2i907pv

Clique aqui e saiba mais: Aulas de bambolê (RJ/Niterói).

Anúncios

50 tons de cinza nos cabelos

Cabelos grisalhos requerem cuidados especiais – eles são despigmentados, nascem mais grossos, completamente rebeldes, e não são caso pra hidratação, como meio mundo vai tentar te vender. Talvez, quem sabe, uma queratinização, uma reconstrução… Algo que tem que pagar centenas de reais em um salão.

Mas aí você vai na loja procurar um tratamento específico pro grisalho. Porque você tem certeza que dá pra fazer em casa.

Um milhão de produtos pra todo o tipo de cabelo, e nada que lembre grisalho. Talvez um desamarelador.  A moça da loja vai, então, lembrar que tem um shampoo pra cabelos grisalhos naquele micro espaço da prateleira destinado aos homens. Porque à mulher, não é permitido mostrar sua cor natural.

Ah, mas na internet tem

Tem é mais do mesmo. Digita “tratamento para cabelos brancos” e você descobre que o único tratamento pra cabelos brancos que pode existir é dar adeus a eles. Espera-se ansiosamente a pílula pra reverter os brancos.

E quem não tem vergonha da sua cor, faz o que? Doma eles como? Como faz com a diferença de textura entre os novos fios brancos e os castanhos que estão por baixo?

image

Porque se livrar da tinta é libertador. Agora não me vá ficar escrava da escova!

Tô usando um produto bom e um produto ótimo:
O bom é a máscara da linha anti-age da Pantene. A relação custo-benefício é ótima.
Já a máscara da linha antiidade da Wella é sensacional. Mas caríssima pro tamanho do pote. Aí fica difícil.

Lola Cosmetics, Bio Extratus: fica a dica.. Esse nicho está crescendo bastante. Já tem revista de moda apontando o grisalho como tendência pra 2015. São os 50 tons de cinza da vida real.

Soluções naturais

Entrei nuns fóruns de grisalhas (porque, claro, homem grisalho não precisa do apoio dos colegas, ninguém diz que ele é corajoso por deixar o branco aparecer) e fui me informar. Pedi por dicas caseiras, porque possivelmente as marcas usadas pelas gringas não devem ser muito fáceis de encontrar por aqui. E, sim: fórum de grisalha é coisa de gringa. Nós, brasileiras, ainda achamos que grisalho envelhece (mito), que não vamos ficar atraentes (mito), que “fica lindo em você, mas não em mim”, e que “você é muito corajosa”.

Não precisa de coragem pra ter o cabelo lindo como o da Elisa, o da Hannah, o da Marta, o da Martha ou o dessas lindas aqui.

Colega, você é que é corajosa de pintar dessa cor que não orna com seu tom de pele e sair assim na rua. De sair com o cabelo todo manchado. De gastar uma grana todo mês pra tentar desesperadamente disfarçar algo que está indisfarçável, e ainda estragar seu cabelo com amônia e água oxigenada. Em nome de um suposto rejuvenescimento.
(em nome do “gosto de variar”, entretanto, acho que vale de um tudo. Cabelo cresce)

Mas e as receitas?

Dizem que óleo de coco é uma maravilha.

E que lavar a seco pode fazer muito bem também (preciso lavar diariamente, já que pedalo diariamente).

Vou testar e conto pra vocês.

🙂

Se alguém tiver alguma dica, agradeço.

14 dias, e contando

Hoje é o 15o dia desde que resolvi fazer de mim mesma prioridade máxima na minha vida.

Porque se eu não tiver saúde, não posso ajudar os outros. Se eu não tiver dinheiro, não posso emprestar dinheiro pra ninguém. E se eu não estiver feliz, não consigo inspirar ninguém a fazer nada.

Esses últimos 15 dias têm sido de detox mental e corporal. Tou fazendo exercícios quase diariamente, sem necessariamente precisar acordar tão mais cedo. O resultado está sendo uma mudança de leve no corpo (faz apenas duas semanas) e um sorriso constante que não sai do rosto. Porque eu escolhi, como exercício, me divertir (sim. Bicicleta, dança e bambolê, óbvio). E, de todos eles, a bicicleta pode ser inserida no trajeto até o trabalho, ou seja: não uso nenhuma hora a mais do meu dia. Aliás, nenhum minuto, porque tou chegando em casa até mais rápido que de ônibus. Com a vantagem que já me exercitei, já me diverti e já vi o por do sol na praia ao mesmo tempo.

image

E não foi de dentro de um ônibus em movimento

Leia o resto deste post

O que desejo pra você neste ano novo

image

Como incluir atividade física na sua rotina…

…especialmente se você não tem muitas horas livres para malhar ou caminhar antes ou depois do expediente:

Inclua o exercício no trajeto para o trabalho.

image

Prontas para o batente

Dependendo de onde você mora, pode ficar difícil pedalar. Pra gente, são três míseros quilômetros, e mais um da Praça XV até o trabalho, então não temos muita desculpa. Aliás, chegamos até mais rápido de bike do que de ônibus, já que caminhamos diariamente um trecho sem transporte. Mas você pode descer alguns pontos antes e andar um trecho na ida e outro na volta. Isso já faz uma boa diferença.

Fora o exercício – que, nessa intensidade moderada (o trajeto é muito curto!), faz um bem danado pra saúde, contribui com a perda de peso (tomara) e com a circulação -, o pedal traz um benefício extra, mais importante que os outros, aliás: sabe aquela depressão de “vivo apenas para trabalhar e não consigo fazer nada por mim?”
Pois hoje cheguei em casa direto pro banho e pra frente da TV sem a menor culpa 🙂

Preciso fazer isso mais vezes, aproveitando o horário de verão pra chegar em Niterói enquanto ainda é dia claro. Reza a lenda que vai ficando mais leve com a prática.

Vamos ver amanhã como vai ser. 🙂

Boa semana!

Dúvida do leitor: “Bambolê afina a cintura rápido leve ou pesado”

Entraram aqui procurando por “Bambolê afina a cintura rápido leve ou pesado”.

Peraí, deixa eu explicar.

NADA afina a cintura rápido. Talvez uma lipoaspiração ou alguma dieta muito louca e pobre em nutrientes, o que não vai ser legal pra você. Mas rápido, pelo método convencional, vai ser difícil.

O que não quer dizer que o bambolê não ajude nesse processo. Ajuda sim. É um exercício, e é localizado na cintura, ora bolas. Mas eu já falei aqui: tem que ter disciplina, rodar todo dia um pouco. Não adianta achar que duas vezes na semana vai surtir um mega efeito, porque o bambolê é um exercício de baixa intensidade. Mas se você não faz NADA, duas vezes na semana já é ótimo, sim. Ajuda bastante. Faça sempre que puder.

Já  no fator médio prazo, por ser um exercício, uma brincadeira, uma dança circular, uma forma de arte e expressão corporal, e de realinhamento do corpo, os benefícios também são relativos à postura, à diminuição da ansiedade e ao resgate da autoestima. Existem grupos, comunidades e encontros de bambolê, então você também pode se descobrir como parte de uma turma. E tem também a superação a cada novo movimento aprendido. A sensação é maravilhosa.

image

E é um programa fofo pra fazer cazamiga

E você aí, querendo afinar a cintura rápido.

Mas… Leve ou pesado?

Eu acho que você pode ter um de cada 🙂

O mais pesado (mas não muito – umas 400gr está de bom tamanho) requer um esforço extra de abdominal, de fortalecimento do centro. Já o mais leve, justamente por ser mais leve –  e normalmente menor (mas não aquele infantil) – requer movimentos mais rápidos. São movimentos diferentes, e você pode alternar.

E aí?

Respondida a sua dúvida?

Grande beijo e boa semana!

Qual é a boa para 2015?

image

A boa, pra mim, é encontrar mais equilíbrio. Me botar limites.
Eu trabalho com o que gosto, e também canto, danço, faço arte, bamboleio, pedalo, desenho. Mas não tem sido suficiente para evitar o buraco no estômago (sim, sofro de gastrite, e ela piora em momentos de tensão).
Não me orgulho de sair de casa às 7h30 e só chegar às 21h, e de nem conseguir fazer exercício-criar-ler notícias-saber o que acontece no mundo-cuidar de mim mesma antes ou depois deste período. A maioria das pessoas acha uma horinha por dia, né? Nem que seja pra ir à manicure. Eu não. Tem que ser ANTES ou DEPOIS disso. Aí é dureza. Médico? Tou em falta também, já que eles trabalham no mesmo horário que eu. 😦

* * *

E aí que eu tava lendo esse livro “344 questions?”. Conhece?

344question

Não é exatamente um livro de texto, mas sim de diagramas e esquemas com milhares de perguntas sobre como você está conduzindo a sua vida. As perguntas são sugeridas por dezenas de pessoas criativas do naipe de Judd Apatow, Wayne Coyne, Ze Frank, Debbie Millman e, é claro, do autor do livro, Stefan Bucher.

À primeira vista, parece um livro bem besta. Mas me deu aquele ‘clique’. E aquela vontade de chorar.

Sanity

Porque eu amo o que eu faço. Eu acredito no que eu faço. Eu tenho tempo para atividades de lazer. Eu crio algumas coisas, sim.

Mas se você me perguntar como estou me educando, neste momento, não sei responder – embora saiba responder como eu mudaria o mundo. O que me prende. Se já fiz algo do qual eu possa me orgulhar. Se eu ganho o justo pelo meu tempo. Como tenho estragado meu corpo. E não me orgulho nada das respostas a essas e a outras perguntas.

E eu sei que não posso mudar o mundo. Mas tenho total condição de ajudar pessoas que desejam mudanças nas suas vidas, como eu mesma já mudei (e continuo mudando) várias coisas na minha. Pessoas que querem mais arte em suas vidas. Pessoas que querem mudanças e só precisam de um empurrão.

* * *

Já li dezenas de livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal. Todos com soluções brilhantes para os problemas das vidas da gente. Pois descobrir QUAL É o problema é a parte mais difícil. Onde é que deu errado. Pois “344 questions?” é de grande ajuda neste processo.

Aqui, uma resenha bacana do livro no BrainPickings. Se quiser comprar, clique aqui e vá de Saraiva, que eu ganho uma comissãozinha (o livro tá barato, 25 pilas).

* * *

Respondendo à minha própria pergunta, a boa de 2015 é impor limites a mim mesma. É conseguir não apenas o tão desejado equilíbrio, como fazer com que a balança pese mais para o lado positivo.

Para que todo o amor que ajudo a espalhar nesse mundo sirva para fazer bem para mim e para as pessoas à minha volta, e não apenas para contrabalançar uma rotina tão pauleira que me come o estômago.

E pra você?
Deixe seu comentário 🙂
Beijos!

Treinando bambolê

Ééééé, meu povo! Parece que a única maneira de não levar advertência do youtube por uso de música alheia é fazer videozinhos de menos de 15 segundos:


http://youtu.be/S_4JIqXg6Gc

Gostou? Quer um bambolê? Quer aprender? Se você estiver no Rio ou em Niterói, pode escolher sua combinação de cores aqui:

https://liaamancio.com.br/compre-seu-bambole/

Se você quiser aprender, aí por enquanto é só em Niterói mesmo:

image
Ha! Por essa, você não esperava!

Me dê um toque. Se quiser saber qualquer coisa sobre bambolês, tou na área.

Beijos e bom final de semana!

A vida simples é boa

Atenção para o link a seguir. Clica lá:
http://sobrebudismo.com.br/o-zen-e-tedioso/

Não sou budista, mas simpatizo. Já fiz meditação zazen e esbarrei na falta de tempo para aprofundar os estudos e frequentar o templo mais do que uma hora por semana. Você pode dizer que “quem quer arrumar tempo, arruma”, mas se eu te passar minha agenda, meus horários, um pouco da minha vida pessoal e o fato de não trabalhar na mesmo cidade onde moro (a viagem é longa), você vai entender. Pra você ter uma ideia, as práticas Zen em Niterói começam quando eu ainda estou saindo do trabalho. Ou terminam (pela manhã) quando eu já deveria estar no trabalho. Aí enfraquece. Mas tento meditar com alguma frequência, mesmo sem o estudo de uma filosofia ou uma prática religiosa. Porque me faz bem.

De qualquer forma, peguei esse texto no facebook da Carol Asch e me peguei a pensar: é, é isso mesmo. Meditar é isso, e atingir a iluminação, mais do que ter onda (e a gente tem, viu? A gente tem), é perceber-se vivo e aqui. É quando você se dá conta dos seus cinco sentidos nos momentos mais prosaicos. É se sentir pleno, como o autor do texto lembra, pelo simples ato de comer uma tangerina.

Tomar umas cervejas pra desestressar é fácil. Comprar tem efeito de bem estar imediato, comer também. Jogar joguinhos de computador ou celular é fácil, e deixa a mente em outro lugar. Mas é deixar a mente em você? Prestar atenção em si mesmo, na sua respiração, no agora, no ato de estar vivo?

Quem curte?

o/

Olha, é difícil. Tem muita coisa pra fazer na vida. Mas eu curto, e espero que você também curta. Dizem que prolonga a saúde. Dizem que você aprende a lidar com os momentos de tensão a ponto de não correr o risco de infartar, como boa parte das pessoas com problemas de pressão alta.

Dizem.

Tem funcionado.

Medite um pouquinho, 20 minutinhos por dia, e no final de vinte dias, me conte o que aconteceu.

A vida é tediosa, sim, e isso é uma delícia. Mas quem precisa de emoções fortes?

image
Essa vista aí no final da tarde já me faz sentir suficientemente viva.

Como controlar a raiva

Acessos de raiva podem machucar os outros e a si mesmo (quando a pressão sobe, por exemplo, ou quando entramos numas de comportamentos autodestrutivos). Acessar as emoções do momento na infância em que você aprendeu o padrão de raiva que te transformou na bomba relógio que você é hoje é fundamental (você vai, possivelmente, precisar da ajuda de um terapeuta).

Leia o artigo a seguir (em inglês):
http://omtimes.com/2013/10/stop-angry-person/

Precisa de ajuda? O trabalho da Mariana Viktor e do Marco Antonio Beck é excelente. Visite o site deles como ponto de partida – entre em contato ou faça, a partir dali, suas próprias conexões.

image

%d blogueiros gostam disto: